Comentários Homiléticos

3º DOMINGO DA PÁSCOA Por Dom Emanuel Messias de Oliveira 15/04/2018 - Atualizado em 04/04/2018 11h34

A+ a-

1ª LEITURA - At 3,13-15.17-19
Pedro faz este discurso,  porque o povo se espantou com a cura do coxo que estava na porta do Templo. O que São Lucas (autor dos Atos) quis transmitir com o discurso de Pedro?

1º- Pedro atribui a cura não a ele e João como o povo estava pensando, mas ao nome de Jesus. O nome indica a essência da pessoa. Jesus significa “Deus salva”. A cura em nome de Jesus significa que Deus continua a libertar o seu povo através de Jesus. Seu poder e misericórdia se manifestaram no seu Filho Jesus e agora se manifesta naqueles que agem em seu nome.

2º- O mesmo Deus dos judeus continua sendo fiel às suas promessas de libertação e foi ele que glorificou o Servo Jesus. A expressão  “Servo” lembra que em Jesus se realizam as profecias do Servo Sofredor do profeta Isaías; e que Jesus assume os pecados do povo, tira o pecado do mundo e, como cordeiro imolado, liberta o povo através do sofrimento e da morte.

3º- Pedro denuncia o crime que o povo cometeu renegando Jesus, o Santo e justo, trocando-o por um assassino que era Barrabás.

4º- Jesus era o autor da vida e o povo o matou.

5º- Mas Deus o ressuscitou dos mortos e os apóstolos são testemunhas disso.

6º- Pedro tenta abrir o coração para compreender o pecado do povo e dos chefes deles a partir da ignorância deles a respeito de Jesus.

7º- Mesmo através das linhas tortas da ignorância e do pecado do povo, Deus vai escrevendo certo. É assim que se cumprem as profecias a respeito do sofrimento do Messias.

8º- Por fim, depois desta bela catequese sobre Jesus, depois da denúncia do mal, depois do desnudamento do pecado do povo, Pedro anuncia a possibilidade de perdão e vida: “Arrependam-se e convertam-se”.

2ª  LEITURA -1Jo 2,1-5a
O autor anda preocupado com aqueles que difundem no seio da comunidade um modo de pensar errado, uma salvação através do conhecimento de Deus desvinculado da vida prática através do amor, da boa convivência, da luta pela transformação do mundo. Esse grupo só valorizava o espírito, não valorizava o corpo, as realidades da vida, e achava que eles não tinham pecado. Eles diziam que conheciam a Deus, mas na prática não guardavam os mandamentos que podem ser sintetizados no amor a Deus e ao próximo.

O que o autor ensina no trecho de hoje?
1º- É preciso que cada um faça o esforço de não pecar, e a leitura da Palavra de Deus é uma grande ajuda.

2º- Se alguém pecar não deve desesperar, pois Jesus Cristo - o justo - é o nosso defensor junto ao Pai.

3º- Quem é Jesus Cristo? É a vítima de expiação pelos nossos pecados e pelos pecados do mundo inteiro. Isto quer dizer que Jesus morreu para o perdão dos nossos pecados.

4º- Os “gnósticos” carismáticos diziam que conheciam a Deus, mas não guardavam os seus mandamentos. (“Gnósticos” são aqueles que acreditam na salvação apenas através de um conhecimento especial de Deus e não através do mandamento do amor). O autor, então, afirma que sabemos que conhecemos a Deus pela prática dos mandamentos, do contrário, estamos  mentindo e a verdade não está em nós.

5º- Mas aquele que guarda a palavra de Deus, ou seja, que vive o amor de Deus, é perfeito nele.

EVANGELHO - Lc 24,35-48
É noite. Os discípulos de Emaús acabam de retornar a Jerusalém e encontrar com os apóstolos. Eles estão conversando sobre as aparições de Jesus. Apesar de todo o entusiasmo a luz da fé ainda não tinha raiado no coração dos discípulos. Seus olhos ainda estão fechados, eles ainda não tinham amadurecido a fé na ressurreição. Vejamos o tanto de expressões para mostrar que ainda estão na escuridão da fé: “Assustados”, “com medo”, “fantasma”, “preocupados”, “dúvidas no coração”, “não podiam acreditar”, “Jesus abriu os olhos dos discípulos para entenderem as Escrituras”. Vemos assim que a preocupação do evangelista é a fé na ressurreição corporal de Jesus. O que o evangelista apresenta para fortalecer esta fé dos apóstolos no tempo de Jesus, e a fé da comunidade do tempo da escrita deste evangelho (cerca do ano 85 d.C.)?

1º- Jesus aparece desejando a paz - plenitude dos bens messiânicos: fé e vida.

2º- Como Jesus percebe a falta de fé, a preocupação e a dúvida, ele mostra suas mãos e seus pés com as marcas do crucificado.

3º- Jesus insiste que ele não é um fantasma e pede para eles tocarem no seu corpo, pois fantasma não tem carne nem ossos.

4º- Jesus pede alguma coisa para comer para mostrar que fantasma não come. Eles lhe deram peixe assado e Jesus comeu. Parece que a partir daí os discípulos ficaram mais tranquilos.

5º- Então, Jesus repete o que havia ensinado para os discípulos sobre o cumprimento das Escrituras a seu respeito.
6º- Depois, Lucas diz claramente que Jesus abriu os olhos dos discípulos para entenderem as Escrituras. Jesus é o grande intérprete da Bíblia. É a partir dele que o Primeiro e Segundo Testamento ganham sentido.

7º- Misturando Is 53,10 com Os 6,2 Jesus relembra o anúncio profético de sua paixão, morte e ressurreição e o triunfo universal do projeto de Deus. Agora, é a hora da missão apostólica de levar o anúncio de conversão e perdão a todos os povos.

8º- Jesus apresenta Jerusalém como ponto de partida e o mundo como meta do testemunho apostólico.

voltar
Receba artigos e notícias da CNBB Leste 2 Cadrastre seu e-mail...
Av. João Pinheiro, 39, 2º andar
Boa Viagem, Belo Horizonte - MG
30.130-183   Trace sua rota...


+55 (31) 3224-2434  -  3224-0017
© 2014 - 2017 CNBB Regional Leste 2 - Todos os direitos reservados.