Notícias

Pronunciamento de Dom Félix sobre o aborto Por Jornalismo da diocese de Governador Valadares 09/08/2018 - Atualizado em 09/08/2018 08h57

Pronunciamento de Dom Félix sobre o aborto
A+ a-

O bispo diocesano de Governador Valadares (MG), dom antônio Carlos Félix, divulgou uma nota contra a legalização do aborto. Leia a íntegra da nota: 

O que a Igreja pensa sobre o aborto

O problema do aborto existiu ao longo da história e em quase todos os povos. Entretanto, a moralidade e a legislação pública sempre protegeram fortemente a vida antes do nascimento. Em toda a tradição cristã, a proibição do aborto foi considerada parte essencial do mandamento: “Não matarás”.

Hoje, nós nos encontramos numa nova situação. As técnicas de aborto desenvolveram-se de tal maneira que o controle público se tornou cada vez mais difícil. Além disso, a opinião pública também se modificou tremendamente. A maioria dos países autoriza o aborto nos três primeiros meses de gravidez e chega a usar verbas comuns para cobrir os gastos com aborto.

Devemos distinguir entre aborto espontâneo e aborto provocado. Este é pecado e será sempre um atentado contra a vida de um inocente, ainda que legalmente não seja considerado crime. No primeiro caso, muitas mulheres sofrem terrivelmente por causa da perda não desejada do feto. No segundo, o aborto é praticado como meio de salvar a vida da mãe. Mas a vida da mãe só tem prioridade sobre a vida da criança não nascida quando a única escolha possível consiste em deixar morrer os dois ou salvar a mãe.

Entretanto, um dos sinais mais chocantes de nosso tempo é a falta de discernimento da parte de cientistas e profissionais da área da saúde, que leva a apresentar o aborto como meio de controle da natalidade, ao lado dos anticoncepcionais não abortivos e em igualdade de condições com estes.

Por isso, é um absurdo o Projeto de Lei que está em tramitação no Congresso Nacional e que prevê a legalização ampla da prática do aborto no Brasil e ainda determina que se realizem abortos com recursos do SUS, em todo o país, fazendo com que nós financiemos o assassinato de milhões de nascituros.

A Igreja Católica não aprova a prática do aborto e sua posição sobre esse assunto tem sido firme e inequívoca, porque ela parte da convicção que o bebê, a partir da concepção, já é um ser humano, não importando o estágio de seu desenvolvimento, nem suas condições de saúde.

Esta convicção da Igreja é firme e bem fundamentada nos dados das ciências. Não dá para negar isso, senão com argumentos falsos. E, sendo verdade que o bebê, antes de nascer, já é um ser humano, então ele tem o direito à vida, como qualquer outro ser humano e direito também à proteção da sociedade e do Estado.

A legalização do aborto é a negação do direito dos seres humanos à vida, por sinal, inocentes e indefesos. Se alguém ousasse matar um bebê recém-nascido, seria reprovado de maneira veemente por toda sociedade. E com toda razão. Por que, então, seria um crime menos horrendo, ou nem seria crime, matar esse mesmo bebê alguns dias, ou meses, antes de ele nascer?

O aborto é uma violação aberta aos direitos humanos. A legalização do aborto contradiz o princípio de igualdade e não discriminação entre todos os seres humanos.

Dom Antônio Carlos Félix
Bispo da Diocese de Governador Valadares/MG

 

voltar
Receba artigos e notícias da CNBB Leste 2 Cadrastre seu e-mail...
Av. João Pinheiro, 39, 2º andar
Boa Viagem, Belo Horizonte - MG
30.130-183   Trace sua rota...


+55 (31) 3224-2434  -  3224-0017
© 2014 - 2017 CNBB Regional Leste 2 - Todos os direitos reservados.