Artigos dos Bispos

Falar ou calar-se Na interioridade humana, no ato de falar ou calar-se, está inscrita a fórmula para superar esse descompromisso com o que é verdadeiro.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo

Arcebispo Metropolitano de Belo Horizonte - MG

veja todos os artigos

25/05/2018 - Atualizado em 25/05/2018 14h48

A+ a-

O descompromisso com a verdade é cada vez mais frequente. Alimenta a propagação de notícias falsas e a manipulação das informações para o atendimento de interesses mesquinhos. Cada vez mais, as tecnologias no campo da comunicação facilitam falar de tudo e de todos, sobre as mais variadas coisas, conforme o próprio interesse. Comprometida a verdade, a sociedade inteira perde o rumo e dificilmente encontra algum caminho promissor. Mas, na interioridade humana, no ato de falar ou calar-se, está inscrita a fórmula para superar esse descompromisso com o que é verdadeiro.

Quando se deve falar? Falar o quê? E quando é oportuno e eficaz calar-se? Sobre os pilares do falar e do calar-se estão os processos relacionais, a condução da sociedade, a cooperação mútua e cidadã em defesa da justiça e do bem. Vale lembrar uma regra de ouro ensinada por São Gregório Magno, fecundado por suas experiências e tradição monástica, na sua famosa Regra Pastoral: o pastor seja discreto no silêncio e útil com suas palavras, para não falar o que deve calar, nem se calar quando é necessário falar. Importante esclarecer que a metáfora do pastor, originalmente ligada ao exercício do pastoreio no contexto religioso e confessional, também se aplica mais amplamente. Vale para o exercício de cada pessoa na condução da própria vida, no contexto profissional ou familiar, enfim, em tudo o que se faz no dia a dia.
O “pastoreio”, neste sentido, remete às ações que objetivam o próprio bem e, sobretudo, o bem do outro. Assim, todos devem exercer um tipo de pastoreio, que pode ser avaliado a partir do bem que cada um promove na condução de suas responsabilidades. O exercício qualificado do pastoreio, quando se torna uma cultura, constitui preciosa alavanca para que a sociedade conquiste o desenvolvimento integral, com irrestrito respeito à vida. E a cultura marcada pelo bom exercício do pastoreio só pode ser conquistada quando são superados os modos de falar orientados pelas superficialidades.

Ao se utilizar a palavra de modo superficial, comprometem-se entendimentos, atitudes medíocres são alimentadas e fecham-se horizontes. Consequentemente, essas atitudes são limitadas e pouco eficazes para gerar o que é bom. Assim, a sociedade permanece empobrecida, um lugar da indiferença que prejudica o exercício da cidadania. Falar com superficialidade faz com que os muitos sistemas linguísticos disponíveis, em vez de contribuírem para a aproximação, configurem uma verdadeira Babel, que enjaula a cidadania na confusão. É lamentável, por exemplo, quando a fala de quem representa o povo é permeada por mentiras e objetiva somente conquistar certas metas – distantes do que é necessário ao bem comum, priorizando somente o interesse de pequeno grupo. Uma lástima também quando as relações familiares, profissionais, cotidianas, são orientadas pelos parâmetros da superficialidade.

A incapacidade para falar o que é preciso, livre de inverdades, é sinal de uma falha grave na condição ética e moral do indivíduo. E só conquista a clarividência quem tem a ousadia de viver e falar sob o alicerce da verdade, algo raro nestes tempos, de tantas manipulações para o atendimento de interesses questionáveis. Hoje especialmente, fala-se para agradar, mesmo sendo incoerente com as próprias convicções. Em outras situações, a verdade é “dita pela metade”, para alcançar certos objetivos pouco nobres. Pareceres são emitidos sem o conhecimento adequado da realidade, prejudicando a promoção da justiça, pois prevalecem subjetivismos. Fala-se o que interessa, para ferir imagens, ou mesmo para enaltecê-las, até mesmo quando não são nada daquilo que se apresenta. Desprovidas de moralidade, essas atitudes não contribuem para o bem de todos.

São urgentes investimentos para que haja qualificação da atitude de falar e de calar-se na sociedade. Nesse sentido, vale remontar ao conceito helênico de parresia, como dinâmica da linguagem política comprometida com a verdade, base para uma verdadeira democracia. Desse modo, a liberdade da palavra será de fato compreendida como força significativa na construção da sociedade justa e solidária. A postura do apóstolo Paulo pode inspirar modos nobres de se lidar com a palavra. Em seu compromisso de viver e proclamar autenticamente a fé, Paulo valia-se de verdadeira franqueza, sustentada pela coragem de dizer tudo o que fosse necessário, e não se calar por conveniência, arquitetando manipulações.

A vida de Paulo é uma escola para todas as pessoas, sendo particularmente capaz de corrigir quem mais patologicamente fala ou se cala desrespeitando a verdade. É possível antever o bem e as consequências revolucionárias se o “pastoreio” de todo cidadão for exercido com sabedoria, sendo discreto no silêncio e útil na fala, “para não falar o que deve calar, nem calar o que deve dizer”.

voltar
Receba artigos e notícias da CNBB Leste 2 Cadrastre seu e-mail...
Av. João Pinheiro, 39, 2º andar
Boa Viagem, Belo Horizonte - MG
30.130-183   Trace sua rota...


+55 (31) 3224-2434  -  3224-0017
© 2014 - 2017 CNBB Regional Leste 2 - Todos os direitos reservados.